Prêmio também anunciou melhores por causa e região. Centro Cidadania foi reconhecida como a melhor de pequeno porte

A organização Amigos do Bem, que atende a mais de 75 mil pessoas no sertão de Alagoas, de Pernambuco e do Ceará, foi reconhecida como a melhor do terceiro setor do Brasil, pelo prêmio Melhores ONGs, o mais importante da área. Durante a cerimônia, realizada nesta quinta-feira (10), as 100 melhores organizações de 2020 foram homenageadas por seu trabalho e, além da melhor, o Prêmio anunciou os destaques nas categorias especiais. Engenheiros Sem Fronteiras e Instituto do Câncer Infantil foram as outras duas finalistas ao destaque do ano e também participaram do evento.

“Somos corajosos e sabemos que é um grande desafio estar no terceiro setor, no dia a dia, na ponta, com os que mais precisam”, afirmou Caroline Albanesi, representante da Amigos do Bem, ressaltando que o trabalho da ONG no sertão nordestino é feito por muitas mãos, com mais de 10 mil amigos do bem. “Nós não trabalhamos com foco nessa visibilidade, mas ela é importante para continuarmos com o nosso projeto”, comemorou.

Este ano, as 100 organizações que se destacaram ganharam de presente espaço em uma plataforma por meio da qual podem receber doações diretas. Pela primeira vez, as 10 melhores entre as pequenas também foram premiadas. Nessa categoria, a organização Centro Cidadania, que promove o desenvolvimento sustentável no semiárido dos estados da Paraíba e Pernambuco, levou o primeiro lugar. Além disso, mesmo organizações que não se inscreveram no prêmio, foram reconhecidas nas categorias especiais. A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) foi o destaque honorário, por sua atuação diante dos desafios para combater a pandemia entre essa população. Já os Bombeiros Voluntários de Joinville levaram a menção honrosa da noite.

Marcelo Estraviz, presidente do Instituto Doar, destacou que, neste ano de incertezas, a organização do Melhores teve medo de que a premiação fosse afetada e que ela foi, mas positivamente. “A gente teve condições de observar organizações que se reinventaram, que tiveram a capacidade de, no meio desse caos, ampliar seus atendimentos. É um grande momento poder homenagear essas organizações”, afirmou. Para Alexandre Mansur, diretor de projetos do O Mundo Que Queremos, o prêmio é uma oportunidade de lembrar que fazemos parte de uma mesma comunidade do terceiro setor, que atua em várias frentes, dividindo essa carga de solidariedade. “Parabéns aos vencedores e também para todo mundo que trabalha, todo dia, nas mais diversas causas do terceiro setor,” celebrou.

Tradicionalmente, o prêmio também reconhece as melhores organizações por causa e região. No Nordeste, a disputa foi acirrada e, por conta disso, duas ONGs dividiram a primeira posição. Confira a lista dos destaques da edição 2020:

Por causa

    Assistência Social: Rede Cidadã;
    Criança e Adolescente: Instituição de Incentivo à Criança e Adolescente de Mogi Mirim;
    Cultura: Associação Cultural Pisada do Sertão;
    Desenvolvimento Local: Engenheiros Sem Fronteiras;
    Direitos Humanos: Escola de Gente;
    Educação: Associação Cidadão Pró-Mundo;
    Esporte: Instituto Futebol de Rua;
    Geração de renda: Artemísia Negócios Sociais;
    Meio Ambiente e sustentabilidade: Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam);
    Saúde: Instituto do Câncer Infantil.


Por região

    Centro-oeste: APAE Anápolis;
    Norte: Idesam;
    Nordeste: Instituto Nordeste Cidadania e Centro Educação Popular e Formação Social (CEPFS);
    Sul: Bairro da Juventude dos Padres Rogacionistas;
    Sudeste: Centro Educacional Assistencial Profissionalizante (CEAP).

As 10 melhores de pequeno porte

    Centro Cidadania;
    Associação Assistencial Jesus Chama-te no Caminho para a Luz;
    Associação dos Amigos da Cultura de Niquelândia;
    Associação VAMOS!;
    Cabelegria;
    Casa Arte Vida;
    Engenheiros sem Fronteiras Brasil;
    Minha Campinas;
    Refúgio 343;
    Unidos pela Vida – Instituto Brasileiro de Atenção à Fibrose Cística.

O Prêmio
Em sua quarta edição, a premiação reconhece as 100 melhores organizações do terceiro setor brasileiro com base em boas práticas em quesitos como governança, transparência, comunicação e financiamento. Desde seu lançamento, a premiação alcançou grande visibilidade no setor e continua crescendo, na medida em que se consolida como a principal referência em organizações filantrópicas no país. Este ano, 670 organizações se inscreveram.

O Prêmio é uma parceria do Instituto Doar, do O Mundo Que Queremos e da Ambev, com respaldo técnico de pesquisadores da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e apoio da Fundação Toyota do Brasil e do Instituto Humanize. A equipe julgadora é formada por professores, doutorandos, mestrandos da FGV, jornalistas e lideranças sociais.

Foto: Amigos do Bem